Os vinhos da Nova Zelândia

Copa das Confederações do Vinho.

Entre 14 e 28 de junho o NOSSO VINHO vai promover a Copa das Confederações do Vinho, que vai acontecer simultâneamente a Copa das Confederações de Futebol. O objetivo é criar desafios entre os vinhos dos 8 países participantes da Copa. Veja mais detalhes aqui.

Entra em campo a Nova Zelândia.

Gabriel o técnico da Nova Zelândia entra com tudo na competição com uma sequência de posts 100% preparados por ele. Aqui a apresentação do país que vai disputar a Copa das Confederações do Vinho:

Histórico
A primeira coisa a esclarecer sobre a Nova Zelândia é deixar bem claro qual a sua Capital. Diferentemente do que muitos pensam, a Capital Federal da NZ é Wellington e não Auckland, que é a cidade mais conhecida pelo fato de ser a mais populosa e pela sua representatividade econômica para a região.

Com relação à produção de vinhos, os relatos que encontrei datam os primeiros vinhedos de 1835, justamente durante a batalha dos ingleses contra os Maoris para o controle do território, sendo que os Maoris habitavam a região desde o século XIV.

O mais interessante é que a produção de vinho naquela época não era comercial, ou seja, produziam-se vinhos apenas para o consumo das tropas britânicas.

O desenvolvimento dos vinhedos andou, aparentemente, da mesma forma que o desenvolvimento populacional: ocorreu progressivamente do norte para o sul do país. Sendo assim, no início do século XX, a indústria era mais aquecida ao redor de Auckland, na Ilha Norte, onde se encontrava um terço da população do país. Entre 1960 e 1970 a população cresceu rapidamente para o sudeste do país, em Gisborne, e também mais ao sul, na região de Hawke’s Bay, e os produtores acompanharam essa tendência. Já entre 1970 e 1980 os primeiros vinhedos foram plantados em Marlborough na Ilha Sul e por último foram feitas experiências bem sucedidas de instalação de vinhedos nas regiões de Canterbury e Otago, sendo as regiões produtoras de vinhos mais ao sul do mundo.

Diversos movimentos políticos afetaram diretamente a indústria do vinho na NZ. Um dos mais importantes foi o acordo de relações econômicas entre Austrália e Nova Zelândia em 1981, onde não haveria mais tarifas de importação e exportação entre os dois países. Com isso os produtores neozelandeses se viram frente a um mercado pelo menos dez vezes maior, fazendo com que a produção de vinhos na Nova Zelândia crescesse de forma extraordinária até 1983, tanto que em 1986 o governo da NZ ordenou que um quarto de todas as videiras fosse arrancado para estabilizar o mercado, pois a maioria das videiras produzia vinhos variados e com qualidade bem sofrível.

Essa profissionalização imposta pelo governo fez o mundo amante do vinho olhar para a Nova Zelândia como um dos países com potencial para vinhos de qualidade, movimento que nos anos 90 fez o número de vinhedos crescer de forma espantosa, passando de 4.880 hectares para 13.000 hectares nos anos 2000, com a demanda e consumo doméstico praticamente estáveis. Realmente a NZ começou a exportar – de verdade – seus vinhos, movimento que continua crescente até os dias de hoje.

O Clima
Embora a Nova Zelândia tenha uma grande diversidade de climas em seu território e uma grande variedade de tipos de solo, é um país geralmente de clima fresco e com precipitações em grande escala, requerendo cuidados para os produtores com relação à drenagem e com relação ao controle de folhagens, fazendo com que as uvas amadureçam de forma perfeita, produzindo vinhos mais aromáticos e de maior frescor.

As Variedades
Praticamente três quartos dos vinhos da Nova Zelândia são de uvas brancas, predominantemente variações de uvas francesas, com algumas uvas alemãs. O Chardonnay é o vinho branco mais produzido, seguido pelo Sauvignon Blanc. O Muller-Thurgau, Riesling e um pouco de Gewürztraminer, Pinot Gris, e Sémillon são outras variedades brancas presentes, porém em escala muito inferior.

Para os tintos, a Pinot Noir é a variedade mais importante, seguida por Merlot e Cabernet Sauvignon.

A situação referente às uvas nas duas ilhas:

image002
Nova Zelândia

ILHA NORTE
Auckland – Cabernet Sauvignon, Pinot Noir, Muller-Thurgau
Gisbourne – Chardonnay, Müller-Thurgau, Gewürztraminer
Hawke’s Bay – Chardonnay, Cabernet Sauvignon, Merlot, Sauvignon Blanc, Müller-Thurgau
Martinborough – Pinot Noir, Chardonnay, Riesling

ILHA SUL
Marlborough – Sauvignon Blanc, Chardonnay, Pinot Noir, Müller-Thurgau, Merlot, Riesling
Nelson – Chardonnay, Sauvignon Blanc, Pinot Noir, Riesling
Waipara – Pinot Noir, Sauvignon Blanc, Chardonnay
Canterbury – Chardonnay, Sauvignon Blanc, Riesling, Pinot Noir
Central Otago – Pinot Noir, Gewürztraminer, Riesling

Foto do topo de Cape Reinga

Muito breve conheça a seleção da Nova Zelândia escalada pelo Gabriel.

2 Comentários
  1. Alexandre Diz

    pô…

    fiquei de fora da copa.
    tem repescagem?

    :o)

    1. Paulo Diz

      Alexandre
      A Itália está sem técnico, ou melhor, seria minha. Eu abro mão para você entrar. Fico com Egito e Iraque.
      Bem vindo.
      Abraços
      Paulo

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

This website uses cookies to improve your experience. We'll assume you're ok with this, but you can opt-out if you wish. Accept Read More