Portugal

 

A vinicultura em Portugal se destaca não só pelo volume de produção, mas sobretudo pela enorme variedades de uvas locais que existem naquele país. São tantas espécies de uvas diferentes que os vinhos de Portugal chegam a ter 5, 6 ou até mais tipos uvas em uma mesma garrafa.

A produção de vinho na região dePortugal teria iniciado 2 mil anos antes de Cristo com e foi impulsionada pelos romanos até a invasão muçulmana no século VIII. O grande impulso na produção vinícola em Portugal se deu após 1.386 com o tratado de Windsor, que garantia o comércio entre Portugal e Grã Bretanha.

Durante muito e muitos anos Portugal oferecia apenas vinhos fortificados, mas nos últimos 15 anos a indústria portuguesa deu um grande salto de qualidade e variedade. Hoje o país produz vinhos tintos, brancos e rosés de qualidade mundial. Além da tradicional região do Porto, com seus vinhos fortificados, Portugal tem hoje uma dúzia de outras regiões.

Vinho Verde:

No litoral norte do país, está a Denominação de Origem Vinho Verde, a maior do país, que cobre boa parte do noroeste. O Vinho Verde, fresco e gostoso, deve ser consumido imediatamente, razão pela qual traz esse nome. Por esta razão as garrafas não trazem o ano da safra. São vinhos leves, de baixo teor alcoólico (11 graus), quase sempre levemente frisantes. São vinhos bastante ácidos e os lotes de exportação são frequentemente adoçados para mascarar esta acidez.

Porto:

Da segunda maior cidade de Portugal saem os famosos vinhos fortificados que fazem sucesso a centenas de anos. Os vinhedos do Porto estendem-se ao longo das encostas íngremes do vale do rio Douro e com o passar dos anos foi-se criando uma paisagem única, onde cada centímetro da encosta foi aproveitada.

douro

Douro:

Em 1979 foi criada a Denominação de Origem Douro que atualmente produzem os melhores vinhos tintos de Portugal. A qualidade dos produtores do Douro subiu tanto que seus vinhos são encontrados nos melhores restaurantes do mundo e atingem um alto preço no mercado internacional.

 

Dão:

No passado era conhecida como a melhor região produtora de Portugal, mas hoje está longe disso. Entretanto ainda se encontra vinhos de boa qualidade nesta região e estes costumam ser uma ótima pedida na relação qualidade / preço. Aqui os vinhedos ficam nas montanhas, são pequenos e estão separados por florestas de pinho.

 

Bairrada:

Bairrada usa a uva Baga, que tem boa capacidade para envelhecer e produz vinhos densos com sabores silvestres. Os melhores produtores da região são Luis Pato, Casa da Saima, Caves São João e Quinta do Baixo.

 

Estremadura:

Dezenove cooperativas comercializam em sua maioria vinhos de mesa, bastante simples e de baixa qualidade. Alguns produtores receberam recursos da União Européia e investiram no aumento da qualidade, inclusive trazendo enólogos do exterior. Os melhores vinhos vêem das zonas protegidas do vento como de Serras Aire, Candeiros e Montejunto.

 

Ribaltejo:

A região que fica acima do Rio Tejo, depois da cidade de Lisboa, feita de pequenas propriedades que atualmente tem trazido cepas internacionais como a Cabernet Sauvignon e Syrah. Porém a grande produção da região é de vinhos brancos da cepa Fernão Pires.

 

Península de Setubal:

Uma região entre o rio Tejo e Sado, que se extende até o Atlântico. Terras do Sado é a denominação mais conhecida da Península de Setubal e tem inovado na produção misturando cepas locais como a Touriga Nacional e cepas francesas.

 

Alentejo:

Uma grande região produtora que utiliza as cepas Trincadeira e Aragonêz, tem conquistado cada vez mais mercado com seus vinhos de sabores elegantes e fáceis de beber. É desta região o famosos produtores Esporão e Cartuxa.

 

Algarve:

Recentemente o Algarve tem produzido vinhos com as uvas Aragonêz, Trincadeira de Syrah. A região é mais conhecida por ser um destino turístico e ainda tem muito que se provar em termos de qualidade.

 

Fonte: Vinhos do Mundo Todo – Guia Ilustrado Zahar

Mapa do site Cellartours.com

portugal-wine-regions-map

 

 

 

 

1

Comentários não disponíveis.