Blogging é coisa séria?

Amigos, resolvi escrever esse polêmico artigo para gerar uma discussão saudável sobre a prática do Blogging. Está claro que a geração de conteúdo é uma febre que cresce em PG pela internet e todas as plataformas que ela propicia. Com isso centenas de milhões de blogs povoam a blogosfera e pela facilidade da tecnologia o conteúdo corre de um lado para o outro. Copiado, modificado, muitas e muitas vezes.

Mas como separar um blog bacana de um “copy and paste”? Como agir em um local onde pode-se dizer que “ninguém é de ninguém”? Bem, há mais de 7 meses escrevi um artigo sobre a necessidade de um código de ética nos blogs, veja:

A Blogosfera devería ter um código de ética?

Posted On: December 13, 2008

Penso que sim, algo bem estruturado que oriente as pessoas para um padrão mínimo de qualidade e ética, como citar fonte e autoria de qualquer conteúdo postado e provavelmente mais que isso. Qual a sua opinião? Se você é a favor, o que deveria conter neste código de ética e como implementar?

Recebi apenas um comentário dizendo ser uma coisa INÚTIL.

Pois bem, mas volto aqui, teimoso e quixotesco convocando a todos os colegas blogueiros, sejam eles enófilos ou não a realizar um Blogging responsável e ético. Isso significa gastar mais tempo nos posts e talvez dinheiro. Citar fonte, entregar links (sem a sacanagem do nofollow), citar autores de livros e capítulos, citar autoria de fotos, principalmente quando elas são retiradas de sites alheios e até mesmo comprar direitos de imagem. Existem bons serviços na Internet. Não tem jeito, não existe uma pessoa mais ou menos honesta, existe correto e errado. Eu tenho certeza que diversas vezes, por ignorância, por falta de formação jornalística, cometo assassinatos da ética jornalistica, mas luto para aprender e melhorar. Pode ser um papo chato e careta, mas ele vai tornar a atividade dos Bloggers mais séria e confiável e valorizada. Mesmo que seja um hoby, como no meu caso, é gostoso fazer as coisas da forma certa. É uma atitude cidadã.

Ilustração: Granell, Istockphoto

12 Comentários
  1. Alexandre Frias Diz

    Paulo…

    Achei importantíssimo você levantar esse tipo de discussão, pois a facilidade de produzir e compartilhar conteúdo através de blogs, não diminui em nada a resposabilidade que temos pela produção desse conteúdo.

    Não copiar sem autorização, citar fontes e autores, linkar para a fonte original, é o mínimo que uma conduta idônea e ética, pode exigir de quem escreve. Quanto maior a consciência responsável pelo conteúdo produzido, mais criaremos um ambiente saudável e confiável para quem lê.

    Afinal, escrevemos para quem?

    abs!
    Ale

  2. Hubert Diz

    Eu nasci sabendo nada. (Vocês tambem!) E os autores tambem! Ao final devo citar Deus?

    Sou webmaster poço dizer que HTML traz tudo o necessario para citar suas fontes. O blogueiro serio deve aprender o que que é Blockquote, q, cite (HTML), rel=: nofollow, muse, bookmark, tag, etc (veja XFN). Veja tambem o que que é Dublin Core. Mas o blogueiro deve mexer no código fonte e isso assusta muitas persoas.
    E mismo assim, pra que serve? Para complicar? vai mudar calquer coisa? Os mais expertos sempre acharão o jeito de passar na frente das suas fontes (Duplicate Content) nos resultados de pesquisa.

    Pior ainda! A proxima geração da net (Web 3.0 semantic – veja RDFa) vai permitir de fazer da internet uma imensa base de dados, seu conteudo sera usado sem você saber. Será possivel fazer perguntas tipo:
    "Qual é o melhor Bordeaux com aromas de frutas vermelhas bastante tanico com preço abaixo de 50R$?"
    Não terá link em baixo da resposta… (progaganda encima com certeza)
    E mas você escreverá um código fonte certo, mas seu conteudo será usado para responder.

    Internet é novinho, e já é um sucesso, é maravilhoso, tanto saber grâtis!
    Ontem eu tava lendo um artigo comparando a aparição da internet com à aparição das leis regulando o trânsito. Primeira lei 1851, primeiro cartera moderna 1922 (15 anos depois da famosa democratica Ford T). .
    (Disculpe sou francês)

    Quantos anos ainda para ver as primeiras multas para copiar/colar conteudo sem autorização?

    Aquela forma de anarchia que traz os blogs na internet é a melhor forma de se premunir contra "Babylonia".

  3. João Filipe C Diz

    Aí Paulo, concordo contigo, a César o que é de César, mas lamentavelmente ética e moral, especialmente neste país, se tornaram coisas paliativas e relativas. As instituições conseguiram reverter os valores minimos de cidadania e, apesar de grave aqui, não deixa de existir no resto do mundo. Ainda há poucos dias lia uma matéria, creio que na decanter, em que algumas vinícolas e lojistas pegaram comentários (copy & paste) de um blogueiro e os usaram comercialmente tendo sido acionados e feito acordos fora das cortes. Nos dias de hoje, lamentavelmente, o que vale é o peso da multa ou do processo (Deus sabe onde vamos parar) então acho dificil um código de ética colar, mas …….Veja o Wine Bloguers do qual somos signatários, não está implicito que seus associados devem se comportar pela ética? Já vi muitos associados, carregando essa imagem, deixando esses valores de lado. É meu amigo, acho qu errar é humano e os jornalistas não cansam de o fazer, então porquê não nós? Acho que podemos desejar que esses valores sejam conservados, mas efetivamente implementá-los, algo um pouco mais dificil, but I am all ears! Creio que no final, o consumidor, ou no nosso caso o leitor, é que é o juiz, saiu fora de linha os acessos despencam, ou pelo menos assim deveria ser. Salute

  4. paulo Diz

    Xará,
    Dou o maior apoio a sua preocupação da ética e qualidade no ofício de bloggar. Minha primeira escola profissional foi a Editora Abril, por onde tiver o prazer e o privilégio de trabalhar por 10 anos entre os anos 80 e 90. Lá desde sempre se defendeu e se defende até hoje, que o principal valor da empresa é o "Respeito pelo leitor". Bem, respeito pelo leitor é entregar conteúdo de qualidade, credibilidade e independente.O Presidente da Editora Abril, dizia também, que nada garantia que no mês seguinte milhões de leitores iriam às bancas para comprar a próxima edição de suas revistas a não ser pela qualidade das mesmas. Existem mesmo milhões de informações e de bloggs na internet, mas a ética e a qualidade de conteúdo em média é discutível. Assim, acredito que produzir conteúdo de qualidade, com respeito as normas básicas de bom jornalismo e com opinião farão toda a diferença também na bloggosfera.
    Um grande abraço.
    Xará

  5. Guilherme Lopes Mair Diz

    Caro Paulo,

    Muito pertinente e oportuna a discussão.

    Endosso o que você, o João Filipe e o Alexandre disseram. Sem dúvida, vivemos a era do "copia e cola". Já tive (e, rotineiramente, isso se repete) meu blog clonado até por uma revista "famosinha", que copiou, sem mencionar a fonte, trechos de postagens minhas e os deixou expostos no site da revista. E quando pedi explicações, fui solenemente ignorado. Atitude típica de picaretas. Citar a fonte, antes de ser um dever ético, é um dever legal, jurídico. O próprio amigo João Filipe já teve seu blog clonado por outro blogueiro. E, naquele caso, a cópia era integral. Uma mistura de descaramento e ingenuidade por parte do "clonador", pois qualquer busca no google permitira verificar a fraude.

    Acho incrível como alguns blogueiros – e mesmo sites de revistas "especializadas" – falam de assuntos e dados relacionados a países longínquos sem sequer mencionar a fonte da informação. Será que estiveram "in loco" para obter os dados? Claro que não! Então, só se avizinham duas possibilidades: ou "surrupiaram" a informação, ao apropriarem-se dela sem dar o devido crédito, ou "inventaram" o dado. Tanto uma coisa como outra são extremamente reprováveis.

    Abordo o assunto com tranquilidade porque sempre cito as fontes em minhas postagens.

    Abraço a todos

  6. Hubert Diz

    "qualquer busca no google permitira verificar a fraude": não concordo com isso.
    Para verificar se SEU conteudo tá clonado, tudo bem, o google serve.
    Para verificar a autoria do conteudo que você vai clonar/usar/citar é muito mais complicado. Mismo se o google diz combater o "duplicate content" (rejeitando aquelas páginas clones longe do topo) já constatei que é facil lhe enganar.
    O pior seria citar um "clonador" né?

    Todos os blogueiros "serios" deveriam interessar-se ao web semantic, às ontologias "Dublin Core" e "Calais" quem foram criadas para bibliotecas universitarias e para jornalistas (Reuteurs).
    Com certeza vai chegar o dia em que as plataformas WordPress e Blogger usaram RDFa para marcar conteúdo.

    Ajudará para saber quem escreceu o que.

  7. Mauricio Tortosa Diz

    Acho fundamental essa questão. No fundo você está falando de
    propriedade intelectual.

    1) Acredito que uma saída viável e sem custos é usar as ferramentas
    gratuítas disponíveis do Creative Commons (CC) – veja link http://creativecommons.org/choose
    – segue um trecho: With a Creative Commons license, you keep your
    copyright but allow people to copy and distribute your work provided
    they give you credit — and only on the conditions you specify here.
    For those new to Creative Commons licensing, we've prepared a list of
    things to think about. If you want to offer your work with no
    conditions or you want to certify a work as public domain, choose one
    of our public domain tools.

    2) Uma outra fonte bacana para te ajudar a pensar: http://www.dailyblogtips.com/copyright-law-12-dos
    . Esse artigo dá um merge entre BLOGGING + COPYRIGHT. Mas vale para
    a lei dos EUA.

    3) Aqui no Brasil quem poderia te ajudar mesmo nisso é a Patrícia
    Peck. Acho que vale um almoço. Vc gostaria que eu marcasse? Veja o
    site dela: http://www.patriciapeck.com.br

    E continue bombando no blog que é demais.

  8. rodrigo barradas Diz

    Caro Paulo, agora que rompi o silêncio, temo exagerar nos comentários, mas vamos lá.

    Eu vejo com otimismo o futuro da publicação online e “individual” de conteúdo. Aliás, o presente também. Tenho lido muita coisa de qualidade indiscutível, tanto do lado de quem migrou do jornalismo tradicional (ou permanece nos dois meios) quanto de quem começou na internet mesmo.

    Tem um livro dum blogueiro chamado Andrew Keen desancando a qualidade da informação e da opinião que se obtém por meio de blogs, wikis e conteúdo de crowdsourcing. Lançado há dois anos, já parece velho pra chuchu. É claro que tem muito conteúdo ruim e irresponsável na web (assim como nas bancas de jornal e nas livrarias). O que eu acho que vai ser bacana de ver é como os consumidores de informação vão conseguir diferenciar, criar sinais que separem aquilo que é sério do que não é. Será que os blogs vão se organizar em torno de selos de qualidade? Vamos inventar o ISOBlog2009? Eu acho que o número de referências no del.icio.us ou no digg é insuficiente como parâmetro.

    Acho que esse tipo de preocupação demonstrado por este blog a respeito de propriedade intelectual, autoria, vai ajudar a criar essa diferenciação. Por outro lado, também é de se esperar que a legislação se adapte à geração de conteúdo por indivíduos, que não dispõem dos mesmos recursos que as corporações.

    Essa conversa me traz à cabeça dois outros temas cujo desenvolvimento vai ser bacana acompanhar:
    – Será que as operações online conseguirão bancar os custos de apuração, redação e edição do bom jornalismo? Mesmo com a redução do custo industrial, a publicidade online não vem conseguindo manter em pé estruturas de redação tradicionais.

    – Será que os blogs vão criar formatos específicos que diferenciem aqueles que são mais informativos daqueles que são mais opinativos? Ou daqueles que oferecem experiências diversas dessas, que o papel ou o vídeo não ofereciam (jogos, sei lá)? Ou será que logo surgirão outros produtos que transformem o blog em algo tão antigo como um “site pessoal”?

    Enfim, me desculpando pelo post longo, acho fundamental que os blogueiros “do bem” tentem codificar suas práticas. Aliás, espero que, em algum momento, isso passe a ser até uma exigência dos bons leitores, que são, afinal, aqueles com quem seu blog dialoga.

  9. Guilherme Lopes Mair Diz

    Caro Hubert,

    Acho que você não entendeu o que eu disse. Eu não me referia ao uso do google para comprovar a autoria, de modo geral. Eu me referi especificamente em relação ao caso em que o blog do João Filipe foi clonado. Nesse caso, o google foi eficiente. Mas em momento algum eu disse que seria sempre. Aliás, eu não me atreveria a tratar desse tipo de assunto técnico da web, pois não tenho o conhecimento necessário.

    Um abraço,

    1. Hubert Diz

      Caro Guilherme.

      Desculpe meu portunhol (sou francês). As veses não entendo e não consego me expressar direitinho.
      Não duvido que você sabe achar clone do seu conteudo na net. Eu só queria avisar o blogueiro novinho que o contrario não é verdade. Achar autoria no Google é problematica (mas isso deveria mudar com RDFa)

      Caro Mauricio

      Você fiz bem de falar de Creative Communs. Além das ontologias (OWL) Open Calais e Dublin Core (dc), Creative Communs (cc) existe tambem como linguagem RDF para marcar o codigo fonte das páginas.
      (existe uma ontologia para vinhos… infelizmente o projeto parece ser abandonado… http://www.w3.org/TR/owl-guide/wine.rdf 😉

      Eu conselho a todos os blogueiros de interessar-se neste assunto (RDF), pq o Web 3.0 Semantic tá chegando … Google – depois de Yahoo/Flickr – inicio a usar e podemos considerar que sem Google não fazia sentido até agora. Google sabe reconhecer produtos (vinho é um produto!) desde maio e fotos marcadas com creative communs desde um mês so. http://pt.wikipedia.org/wiki/OWL http://pt.wikipedia.org/wiki/Dublin_Core http://www.creativecommons.org.br/
      ejemplo:
      HOWTO Make Your CC-licensed Images Visible to Robots: http://creativecommons.org/weblog/entry/15768

      Certo! Tudo isso é muito "geek", tem que esperar plugins para plataforma wordpress, blogger, drupal (ja tem em vesão alpha ou beta) para o blogueiro calquer usar. Mas quando vai aparecer no seu "Dashboard" instale!

      Abs

  10. Cristiano Orlandi Diz

    Paulo e amigos,

    Em que pese não ter comentado a questão ainda tenho acompanhado atentamente.

    Acredito que ética, respeito são um valores essenciais ao ser humano e lamento termos que abrir uma discussão que demonstra que muitas pessoas não tem tais valores, assim entendemos melhor o que acontece no mundo, infelizmente.

    Muitos de nós são amadores e apaixonados e cometemos erros espero que continuemos a discussão a fim de evitarmos erros nossos e prevenir erros dos que virão.

    A vc Paulo, obrigado por propiciar esse forum.

    Forte Abraço!

    Cristiano http://www.vivendovinhos.blogspot.com

    1. Paulo Diz

      Cristiano, você que realiza seu blog de forma tão simples, talentosa e verdadeira tem muita autoridade no que diz. Parabéns pelos textos bem elaborados.

      Abs

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.