Quinta da Bacalhoa 2004

O Gabriel está passando uma semana de ferias  em Natal e envia de lá este português, que tomou no restaurante Guinza.

Apresentação do Fabricante: “A Quinta está localizada nas meias-encostas de Azeitão viradas a Noroeste. O clima é ameno devido à forte influência Atlântica. A vinha foi plantada em 1972, em solos calcários vermelhos e bem drenados, com as castas Cabernet Sauvignon (90%) e Merlot (10%). Os vinhos elementares são fermentados, sem engaços, a temperatura controlada (25º C), durante cerca de uma semana. Segue-se um período de “cuvaison” (maceração pelicular pós-fermentiva) de 4 a 6 semanas, que promove tanto uma maior extracção dos elementos nobres das películas como a subsequente fermentação maloláctica. Finalmente separam-se os vinhos das partes sólidas, elaborando-se o lote final. O vinho estagia durante 9 a 14 meses em barricas de carvalho.

Documentos históricos comprovam que desde sempre houve vinhas na quinta, como por exemplo a discrição da doação feita em 1426 por D. Duarte, filho de D. João I, Rei de Portugal, ao seu irmão Infante D. João de toda a Quinta da Bacalhôa, que vem descrita com “todos os seus paços, casas, adegas, lagares, terras de pão, VINHAS, pomares, olivais, matos e terras baldias, pocigos, águas”. Em 1972, a pedido de Thomas Scoville, então dono da Quinta da Bacalhôa, António d’Avillez instalou uma vinha a fim de produzir um vinho com um encepamento semelhante ao que é usado em Bordéus, nomeadamente no Médoc. As castas escolhidas foram Cabernet Sauvignon e Merlot. O primeiro vinho com esta marca foi o da colheita de 1979, sendo o primeiro Cabernet Sauvignon de fama no país.”

Este vinho tem uma boa complexidade para o seu custo. Um toque de tabaco e cassis. Precisa decantar para abrir todo o seu potencial.  Aqui vai a impressão do Gabriel: “O Quinta da Bacalhoa 2004 que tomei no restaurante Guinza em Natal-RN foi um vinho que me surpreendeu. Sua cor, rubi intenso, de cara deu a entender que não se tratava de um Cabernet simplório. Seu aroma e sabor deixaram mais evidente a mistura de frutos pretos do que o tabaco e a menta reconhecidos por outros. O destaque vai para o corpo e persistência: o início é bem suave, mas conforme você vai degustando o que marca é o seu final longo.”

Outros vinhos Bacalhoa


Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

This website uses cookies to improve your experience. We'll assume you're ok with this, but you can opt-out if you wish. Accept Read More