Nossos Vinhos Portugueses.

Já é tradicional um encontro mensal com meus amigos Alcir, Sergio, Jerome e José Aurélio. O da noite passada teve como tema Portugal e  aconteceu no Restaurante A Bela Cintra em São Paulo.

O Alcir sugeriu 6 vinhos e juntos escolhemos dois. O José Aurélio, como sempre muito generoso, trouxe mais dois vinhos e um terceiro como presente ao Alcir.

A noite foi  muito divertida com papos interessantes, mas devo admitir que as conversas foram mais engraçadas do que o normal. O jantar foi um mix com petiscos portugueses de entrada, bacalhau “Nunca Chega” e “Arroz de pato”, este último estava espetacular.

Vamos aos vinhos:

O primeiro vinho da Noite foi o Quinta do Alqueve 2003, e logo na abertura dos trabalhos o vinho arrasou. Um blend de Touriga Nacional com Shyrah. Um vinho de meio corpo, com toques de caramelo e ameiaxa, com taninos um tanto agressivos, daquele que “arreganham os dentes” como comentou o Zé Aurélio. Eu pessoalmente adorei o vinho que tinha bons toques de carvalho e muita personalidade. Feito no Ribaltejo.

Quinta do Alqueve 2003
Quinta do Alqueve 2003

O segundo vinho da Noite era um Crasto Touriga Nacional 2005. Um vinho de muita personalidade, um estilo de Bordeaux em um português. Segundo o Zé Aurélio, um vinho produzido com vinhas velhas. Eu gostei do aroma de tabaco do vinho. Acho que ele merecia um tempo maior no decanter para soltar todos os sabores.  Este vinho não é produzido todos os anos, mas apenas nos anos onde a produção é muito especial. Feito com vinhas com pelo menos 25 anos.

Quinta do Crasto 2005
Quinta do Crasto 2005

Nesta altura, já animados começamos o jantar e chamamos o Quinta do Monte d’Oiro 2004.  Esse vinho produzido por José Bento dos Santos que usa 94% de Syrah e 6% de Viognier agradou a todos sem exceção. Seu buquê é esplendoroso. Eu inventei de dizer que o vinho estava um pouco exagerado e tomei vaia de todos. Mas realmente ele era tão marcante e poderoso que pensei talvez em deixar descansar um pouco, mas nem deu tempo, a garrafa desapareceu rapidamente.

IMG_0634
Quinta do Monte d'Oiro

Na segunda metade do jantar quando chegou  arroz de pato, abrimos o Chryseia 2004, um vinho espetacular, já retratado aqui no NOSSO VINHO. Chryseia só é preparado nos melhores anos, nos demais somente o Post Scriptum é engarrafado. O Chryseia é elaborado principalmente a partir das castas Touriga Nacional e Touriga Franca , mas também usam a Tinta Roriz, Tinto del País, Tempranillo e a Tinto Cão. O vinho é produzido na cidade de Pinhão na moderna Quinta do Sol. As uvas são vinificadas separadamente de depois unidas. Chryseia é uma associação da família Symington e Bruno Prats, este ex-proprietário da Cós d’Estournel.

O Jantar já estava no fim quando Alcir e Zé Aurélio resolvem abrir a 5a garrafa da noite: Cedro do Noval 2004. Outro exemplar do Douro, muito especial. Tradicional produtor de vinhos do Porto a Quinta do Noval produz esse vinho tinto de classe mundial, muito elegante, aromatico e com boa presença de maderia, um blend de 70% Touriga Nacional, 20% Tinta Cão, 10% Touriga Francesa.

IMG_0636
Cedro do Noval

Ufa, acho que exageramos para uma quarta-feria a noite. Mas foi muito divertido. A próxima noite espero que seja Italiana.

1 comentário
  1. Paulo Diz

    Não sei porque o José Aurélio não deixou o comentário aqui e preferiu enviar um email ano contato@nossovinho.com

    Reproduzo na íntegra o texto:

    "Paulo e Alcir tomamos este vinho há um tempão atrás no pommodori com Sergio, Jerome e Ana.
    Lembrei de posta-lo pois estava navegando pelo blog e vi muitas referências aos vinhos portugueses, que by the way usualmente são completamente under rated pelo Parker e winespectator, e achei que valia a pena fazer a referência. Paulo acho que foi antes mesmo de seu blog entrar no ar.
    Acho o monte d´oiro muito bom. Elegante e estruturado. Um baita Shiraz. Com tudo que tem direito, pimenta, berries, etc…. Tecnicamente falando, Um vinhaço!!! rs…..
    Juntamente com o Incógnito faz a dupla dos melhores Shiraz portugueses na minha opinião.
    Abraço,
    José Aurélio."

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.