Os vinhos de toda a vida em uma noite.

Na noite de ontem, Manuk convidou um grupo de amigos para um evento que apelidamos de Final da Copa do Mundo. Nesta disputa fictícia estavam a França, Itália, Espanha, Portugal e Chile.

imagem61

Os vinhos de uma vida em uma noite

O Manuk organizou tudo e colocou os vinhos na seguinte seqüência:

França: Dom Pérignon  Vintage 1996

Itália: Ca’Marcanda Magari 2005

Itália: Tenuta Guado Al Tasso 2004

Chile: Clos Apalta 2005

Portugal: Quinta do Vale Meão Douro 2006

Itália: Barolo Falleto di Serralunga d’Alba 2004

Espanha: Vega Sicília Único 1996.

Como se fossemos um time ao estilo Real Madrid, Manuk deixou no banco de reserva um Sassicaia 2005 Magnum. “ Temos muito vinho aqui e não precisamos de tudo isso” disse nosso Anfitrião.

Este será um post colaborativo, onde a qualquer momento um dos participantes poderá enviar seu comentário, que vou inserir no corpo do post. Pois não tenho condições de realizar uma análise comparativa sem a ajuda de todos.

imagem91

.

A abertura com Dom Pérignon Vintage 1996 serviu para animar os participantes, um vinho leve, muito delicado, pouco seco e com sabores muito vivos de flores e abacaxi.

A entrada do CaMarcanda foi estrondosa, este 2005 estava muitíssimo perfumado, com várias camadas de sabor que vão ampliando na boca. Taninos fortes e bem integrados. Na minha opinião, máxima representação da Toscana. Nesta altura Mauricio contava histórias da Toscana, terra de sua família e perdemos a noção do tempo.

Manuk: “Realmente me impressionou. A maciez foi marcante e como um bom super toscano comparável aos bordeauxs. Se mostrou um vinho refinado”

imagem10

Ca Marcanda

imagem71

Tenuta Guado Al Tasso

O próximo foi o Tenuta Guado Al Tasso, um vinho que pessoalmente adoro. Complexo, puxando para toques de chocolate e café, mas não dá para disfarçar que ele foi massacrado pela personalidade do CaMarcanda.

Manuk: “Senti toques defumados com a presença do carvalho. Frutas maduras com um tanino suave. Um corpo denso “

Do novo mundo surge então, sempre puxados pelo Alcir, o Clos Apalta 2005, considerado pelos críticos da Wine Spectator o melhor vinho de 2008. Mudou completamente o cenário, reconheci o estilo do Novo Mundo claramente. Mais estruturado, mais madeirado. O Alcir comentou que o vinho tinha um final muito surpreendente de sabor e ele estava certo. Sua composição com 42% Carmenere, 28% Cabernet Sauvignon, 26% Merlot e 4% Petit Verdot, mais os 24 meses de barricas francesas deixaram o Clos Apalta como virtual vencedor até então. Mas o Ricardo continuava a falar ao pé do ouvido que o CaMarcanda ainda era melhor. Nesta altura confesso estava um pouco confuso quanto a isso.

Manuk: “Um vinho maravilhoso. O Equilíbrio me chamou a atenção. Apesar do madeirado se sobressair no início ao longo do tempo pude perceber o toque de fruta. Mas o que mais me chamou a atenção foi o aroma complexo e presente com toques de chocolate. Não tenho dúvida que este vinho vai ganhar muito com o tempo. Decantou por 2 horas mas é daqueles que a idade vai fazer muita diferença

imagem14

Clos Apalta

Na seqüência, e sempre puxados pelo nosso acelerado Alcir, entrou em campo o representante português o Quinta do Vale Meão Douro 2005. Maravilhoso, cheio de aromas e sabor, destaque para fumo e chocolate. É o melhor português que eu já bebi. Todos amaram o vinho. Eu e Ricardo, conversando concluímos que ainda assim o CaMarcanda havia impressionado ainda mais. Gostaria de saber a opinião das mulheres, mas elas estavam em um papo tão rápido que não consegui interromper. Depois de uma pausa técnica e para criar um contraponto, Manuk puxa do nada uma garrafa do Argentino Luca Pinot Noir 2007, um vinho que ele adora, muito aveludado e macio. Eu passei muito rápido por esse Pinot Noir, porque estava perdendo meu referencial. Mas valeu como preparação para o vinho que viria.

imagem82

O Melhor Português

Chegamos ao Barolo Falleto di Serralunga d’Alba 2004. Vou precisar pensar bem para escrever isso. Fiquei decepcionado. Esperava muito mais de um vinho com 97 pontos, um dos Barolos mais badalados do extraordinário produtor Bruno Giacosa. O vinho é excelente, mas pela seqüência estabelecida ele ficou prejudicado. Perfumado, delicado, sofisticado, mas menos marcante que todos os outros poderosos vinhos encorpados que estávamos tomando naquela noite. Entendi então porque o Manuk havia puxado aquele Pinot Noir que não estava em nosso line-up original.

Manuk: “Acho que você esta sendo muito rigoroso. O vinho realmente tem um corpo mais leve que os anteriores. A Nebiolo tem este contexto. Mas a presença das flores era marcante. Taninos leves. Apesar de não ter sido de forma pensada o stop and go com o Pinot Noir teve a função de mudar não o mindset mas o Taste set “

imagem112

Vinho de estilista

Finalmente entra o Vega Sicília Único 1996, não precisaria comentar de novo, mas lá vem o Alcir, sempre o primeiro a puxar o vinho. Espetacular Tempranillo. Chegou com a desvantagem de ser o último e mesmo assim arrasou a todos, pelo menos na minha opinião. A esta altura já havia decantado por mais de 3 horas, estava solto, seus perfumes crescentes, seu sabor delicioso. Encantador.

Manuk: “Para mim the best. Foi marcante. Já me ganhou no aroma demonstrando toda a sua elegância. Acho que apesar de ter saído em desvantagem por ter sido o ultimo ganhou por ter ficado pelo menos 3 horas em um decanter. O que mais me chama atenção neste vinho é a capacidade de ser elegante mas demonstrando toda sua personalidade. O seu paladar é marcante, “único” como diz o próprio nome com um final longo. Toques de baunilha, tabaco, flores .

imagem131

O clássico Espanhol

A minha conclusão final é de que cada um daqueles vinhos pode nos proporcionar uma noite incrível e nosso evento foi ambicioso demais. Listamos muitos vinhos. Dá para compor uma musica para cada um deles. Criar uma história enquanto se bebe. O CaMarcanda foi o vinho mais poderoso da mesa. O Clos Apalta o mais surpreendente pelo sabor que evoluía na boa e o Vega Sicilia Único foi excepcional, um tributo a amizade destes 5 casais que resolveram viver um bom papo e provar tantos vinhos maravilhosos.

Manuk: “Vega Sicilia e Ca Marcanda para mim foram os destaques desta noite realmente maravilhosa. Vinho realmente é mais do que uma bebida ele nos da a possibilidade de compartilhar e propagar a alegria, que é inerente do ser humano mas que às vezes fica escondida.”

Mônica:

A noite foi realmente muito agradavel e  com excelentes companhias. Como disse ao manuk, o dificil foi soh achar a saida….(Risos)
Todos os vinhos estavam maravilhosos, mas o Vega Sicilia fechou a noite de forma espetacular, pelo aroma e sabor incriveis..
Por falar em sabor, não podemos deixar de registrar uma pizza maravilhosa,  que atraves de temperos, ervas, queijos e carnes, ganharam a noite  com crocancia e sabor.

Alcir

Então vamos lá….puxando da memória….

Acho que vcs já falaram quase tudo desta noite. E eu concordo com quase tudo que foi dito. Mas uma coisa eu discordo. O Barolo Serralunga é muito melhor que a avaliação que vcs fizeram dele. Eu gostei muito deste vinho. Não conhecia…..adorei. Complexo,cheio de surpresa,com um gole diferente do outro. Um vinho manhoso, que conquista de um jeito sereno o paladar da gente. Para mim foi uma grande surpresa.

Clos Apalta 05. Espetacular. Vigoroso.Imponente. Que grande vinho do novo mundo ! Na minha opinião pode se comparar a qualquer grande vinho da Toscana, ou mesmo de Bordeaux.

Quinta do Vale Meão.Tem muita gente dizendo que este é o melhor vinho português.Eu sou um deles. Adoro este vinho. Mas, e aqui correndo o risco de despertar uma nova revolução dos cravos….esta safra (2006) não me pareceu a altura das outras.

Porém, o outro representante da península ibérica foi o que dele se espera…único. Vega Secilia. Espetacular.


0
14 Comments
  • Edilson BUda
    Março 23, 2009

    Caros amigos Paulo, Manuk e Alcir.

    Fiquei maravilhado com a seleção e confesso que a boca borbulha.
    Para não fugir as raizes, bebendo virtualmente, talvez o português me traria lembranças fascinantes. Se eu não me engano, este vinho é feito com 4 cortes, Touriga nacional, Tinta Roriz, Touriga Franca e Tinta Barroca.
    Sugiro da próxima vez, um Alentejano 100% Aragones.
    Bjs a todos.

    Do amigo Buda

    • Paulo
      Março 23, 2009

      Buda, agora é nossa vez de montar outro jantar e colocar a coisa em dia. Quem sabe assim a gente pega esse Aragonês.
      Abraços
      Paulo

  • Cristiano Orlandi
    Março 24, 2009

    Estou aguado!!!

  • manuk
    Março 28, 2009

    Este é o Alcir que eu conheço

  • manuk
    Março 28, 2009

    Alcir Quinta Vale do Meão 2006 WS deu 95 pontos. Acho que é um vinho de guarda. Tem que esperar um pouco. Guardei Duas garrafinhas dele. VAmos ver

  • Vitor
    Abril 1, 2009

    1- Pelo método de vinificação, uvas escolhidas a dedo e só…Em anos muito especiais o BARCA VELHA é AINDA o melhor vinho português, de deitar qualquer vega Sicilia aos charco(comentário exagerado).

    Eu que o diga já provei três colheitas de BV e 4 de VS sendo que sinceramente só uma colheita me pareceu ao nível do Barca velha e que colheita era essa? Segredo…

    2- No que diz respeito ao Quinta do Vale Meão o únicos que sinceramente me pareceram ser ao nível do bom e velho BV foram as colheitas de 2001 e 2004.

    Talvez, talvez o de 2004 pudesse ter sido um BV, se a quinta ainda pertencesse à Casa Ferreirinha.

    3- É um crime, um verdadeiro crime beber estes verdadeiros tesouros numa mesma ocasião. Mas enfim, suponho que haja muito dinheiro para deitar fora.

    Relativamente aos outros, não sei e confesso que alguns não conheço.

    Saudações e criticas é o que eu vos deixo.

  • Paulo
    Abril 3, 2009

    Vitor, em primeiro lugar obrigado por sua frequênte participação no Nosso Vinho. Não achamos que tenha sido um crime como você coloca. Foi uma oportunidade memorável para dividir a companhia de bons amigos com vinhos lendários. Estando na Europa, pois acredito que você seja português, procure comprar o Ca'Marcanda Magari. Aí deve ser bem mais barato que aqui no Brasil. Realmente vale a pena. Mas concordo sobre o Barca Velha. Ele é realmente o melhor vinho português.
    Abraços
    Paulo

  • Paulo Dancieri
    setembro 20, 2009

    Meu Deus!!!Que noite hein…Parabéns pelas escolhas, acho que não poderiam ser melhores..Só colocaria um bordeauxzinho tb, né gente??? Paulo, Vega Sicilia, Único é covardia, né chefe? Tenho um Alion aqui e to ensaiando para abri-lo, mas dai a Unico, já é um grande passo….Senti os aromas dessa noite só de ler…Onde compro o português, Quinta do Vale Meão aqui no Brasil? Nunca provei…E por falar em roubar a noite, também envolvendo vinho português, deixo o meu relato: em uma noite de gadus mohrua na brasa, feira um por um amigo meu que acabara de retornar de Portugal, escolhi 02 grandes vinhos…O nosso conhecido amigo Purple Angel de entrada, e como vinho principal, o Ferreirinha 1997…O Ferreirinha ficou abrindo por 02 duas…Porém, apesar de estar esplêndido, não foi capaz de desbancar o exuberante Purple Angel. Sei que fui injusto ao deixar um velho mundo de 12 anos para ser provado depois de um novo mundo explosivo, mas mesmo assim, não teve boca. Afinal, o que eu poderia fazer?? rss

  • Alexandre
    Abril 11, 2010

    Paulão…

    Fazia tempo que não lia esse post. É sensacional.
    A melhor sequência de vinhos espetaculares que já vi.

    Ler de novo, foi como rever um ótimo filme.

    abração
    Ale

    • Paulo
      Abril 11, 2010

      Obrigado Alexandre. A noite foi inesquecível e dificil de repetir.

  • Beto Duarte
    Abril 11, 2010

    Maravilha hein, Paulão!

    • Paulo
      Abril 12, 2010

      Foi sensacional, sobretudo porque estavamos em um grupo muito amigo.
      Abraços

  • Manuk
    Janeiro 16, 2015

    Saudades desta época

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *